Blog

7 desafios comuns da gestão escolar e como resolvê-los

7 desafios comuns da gestão escolar e como resolvê-los

O sucesso de uma empresa depende, principalmente, da forma como são conduzidas as adversidades internas, que, sendo inevitáveis em qualquer instituição, demandam características essenciais, como dinamismo, dedicação e liderança democrática.

Em relação à gestão escolar, especificamente, a situação não é muito diferente. Por isso, no post de hoje, apresentamos alguns desafios comumente encontrados nesse trabalho, bem como sugestões que possam auxiliar diretores, coordenadores e supervisores pedagógicos a superar seus principais problemas profissionais. Fique por dentro!

Escolha de diretores

A forma mais comum e utilizada no Brasil para escolha de gestores para as escolas é através de seleção política ou por eleições. Embora a segunda opção permita abarcar opinião da comunidade institucional — o que é vantajoso por favorecer a democracia —, ambas as alternativas podem falhar por não considerar a real competência do escolhido.

Apesar de apenas poucos estados brasileiros optarem por isto, a opção mais adequada para escolha de gestores deveria abarcar testes e provas que visam atestar a proficiência gerencial dos candidatos, garantindo que eles têm as competências necessárias para uma gestão eficaz.

Fiscalização

Ainda que os diretores, supervisores e coordenadores tenham a função de gerir todo o trabalho desenvolvido pelos demais funcionários, é necessário que seu esforço também seja avaliado, uma vez que o desempenho da instituição depende, logicamente, do trabalho em conjunto, desenvolvido por cada um dos membros da escola.

Uma opção é avaliar, através de levantamento estatístico, os indicadores gerais de insumos, processo, resultados, impacto, eficiência interna e externa, equidade, inclusão e outros. O Programa Indicadores da Qualidade da educação, da Ação Educativa, por exemplo, disponibiliza à comunidade uma versão de sistema de indicadores populares de qualidade da escola.

Capacitação de qualidade

Não há atividade de qualidade que seja desenvolvida sem conhecimento teórico. A capacitação envolve não somente o ensino especializado de uma determinada área, como também atualizações periódicas em metodologias pedagógicas, e deve ser realizada, preferencialmente, por todos os membros da instituição.

Para tal, é possível promover cursos de atualização presenciais e online, treinamentos, pós-graduações, materiais disponíveis na internet, entre outros.

Organização documentária

Talvez a tarefa administrativa de organização dos documentos da escola seja a mais trabalhosa, pois envolve o armazenamento cumulativo de dados que não podem, de maneira alguma, ser extraviados.

A vantagem da era tecnológica, por sua vez, é a possibilidade de armazenamento de dados de maneira digital, o que facilita a busca, ampliando espaços físicos e reduzindo as chances de perdas e deterioração dos documentos.

Controle financeiro

organização, o planejamento e a projeção financeira da instituição de ensino, quando realizados corretamente, viabilizam uma série de possibilidades à escola, pois permitem ao gestor ter ciência de eventuais problemas com antecedência, a tempo de fazê-lo procurar medidas protetivas.

Evite métodos ultrapassados de anotação em papéis, cadernos e planilhas físicas. Se o fizer, procure técnicas complementares, como programas digitais, que fornecem dados estatísticos e gráficos que dão uma visão financeira robusta ao gestor.

Comunicação organizacional

As diferentes formas de comunicação organizacional da escola envolvem comunicação interna, assessoria de imprensa e mídias sociais. A comunicação é eficiente ao minimizar conflitos internos, fornecer visão abrangente do mercado, permitir conhecimento dos desafios da organização, aumentar a rentabilidade dos trabalhos e viabilizar a participação dos funcionários no crescimento institucional.

É importante criar canais de linguagem adequados que estimulem tanto o público interno quando externo, como os boletins informativos, jornais, folhetos, avisos em murais, reuniões e outros. Deve-se dirigir as atividades considerando os interesses em comum, promover o envolvimento de todos os funcionários e incentivar a participação.

Gerenciamento de conflitos internos

Conflitos internos podem ser causados por disputas e competição entre membros da equipe, existência de objetivos e interesses divergentes, estresse, medo das mudanças, falhas na comunicação,  diferenças em personalidade e vários outros fatores. Não saber gerir essas situações provocam problemas que contribuem para a desestabilização da estrutura organizacional da escola.

Existem diferentes maneiras de lidar com conflitos internos. O gestor pode intervir através de uma estratégia de mediação em que se faça presente a comunicação e o diálogo. Pode-se também tratar com negociações, embora essa seja apenas uma solução provisória. Outra opção é o controle através de conciliação. Independentemente do tipo de intervenção escolhida,  no entanto, o ideal é que o gestor esteja preocupado em encontrar soluções e não culpados, tratando cada um com respeito, sabendo ouvir e falar, evitando preconceitos e, principalmente, não ignorando o conflito.

E você, quais são os seus desafios na gestão da escola em que você trabalha? O que acha das soluções propostas para os problemas supracitados? Compartilhe conosco suas experiências e participe da discussão nos comentários!

12 de Março de 2015, 17:10
Especialista CBK
software, Gestão, Prestação de Serviços, Educação, Financeira, Escola, Empresa, Faculdade , Sistema Online, Fluxo de Caixa

Sobre o autor

Especialista CBK
Especialista CBK

Nossa equipe é formanda por profissionais especialistas na área de gestão financeira focada em vários segmentos de prestação de serviços. Nosso time de gerentes, programadores, analistas e redatores estão sempre prontos para sanar todas as suas dúvidas e auxiliar no que mais for possível. Fale conosco!